Portfólio Altas Habilidades/Superdotação (AH/SD): identificação e encaminhamentos no âmbito escolar

R$30,00

Assim que o site confirmar o pagamento, será enviado no e-mail cadastrado o link para download do arquivo

Descrição

Portfólio Altas Habilidades/Superdotação (AH/SD): identificação e encaminhamentos no âmbito escolar – Semestre: 1°

Curso: 2a Licenciatura


POSSUI UM TOTAL DE 11 PÁGINAS

A proposta da Produção Textual Interdisciplinar Individual (PTI) terá como
temática Altas Habilidades/Superdotação (AH/SD): identificação e encaminhamentos
no âmbito escolar.
Escolhemos esta temática para possibilitar a aprendizagem interdisciplinar dos
conteúdos desenvolvidos nas disciplinas desse semestre e, também, para que possa
consolidar uma consciência sobre a educação inclusiva.
Os alunos com AH/SD fazem parte do público-alvo da Educação Especial (PAEE)
que necessitam de uma reorganização do ensino, considerando suas especificidades,
para que sua escolarização seja adequada e seu desenvolvimento seja global e pleno. É

essencial um atendimento diferenciado a esses alunos para que seus talentos não sejam
desperdiçados.
Trabalhar a temática das Altas habilidades/Superdotação (AH/SD) é importante,
pois fornece instrumentos de compreensão a respeito dessa população, uma vez que,
estima-se que no Brasil haja cerca de 2,5 milhões de estudantes com AH/SD inseridos
na educação básica (BRANCO et al., 2017).
A concepção de AH/SD utilizada pelo MEC, conforme a Política Nacional de
Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva (BRASIL, 2008, p.9) considera
crianças superdotadas e talentosas as que apresentam notável desempenho e elevada
potencialidade nas seguintes áreas, isoladas ou combinadas: intelectual, acadêmica,
liderança, psicomotora e artes. Também apresenta elevada criatividade, grande
envolvimento na aprendizagem e realização de tarefas em áreas de seu interesse.
De acordo com os princípios derivados da Lei das Probabilidades, há uma
previsão de um percentual estimado entre 3 a 5% da população mundial com AH/SD.
Isso levando-se em consideração a avaliação por meio de testes de QI (quociente de
inteligência) ou de desempenho acadêmico, os quais identificam habilidade acima da
média em algumas áreas, como linguística, lógico-matemática e espacial, por exemplo.
Mas estes, não avaliam as habilidades físicas, artísticas, psicomotoras e de liderança.
Também não detectam o envolvimento na aprendizagem e a criatividade. Se esses
elementos forem considerados, o percentual pode ser ampliado para 15 a 20% da
população mundial (VIRGOLIM, 2007).
Desta forma, quando os estudantes superdotados não são identificados, não
recebem orientações necessárias quanto ao reconhecimento e desenvolvimento de
suas potencialidades, acabando por ficarem no anonimato.
Assim, este trabalho visa apontar a importância de os professores conseguirem
realizar as identificações e encaminhamentos dos estudantes com características de
AH/SD, valorizando suas diferenças no contexto escolar e possibilitando pensar uma
educação para todos, em que o processo de inclusão, as práticas pedagógicas e as
políticas públicas busquem a contribuição ativa de cada aluno.
ORIENTAÇÕES DA PRODUÇÃO TEXTUAL

1. Leitura e interpretação da SGA
Por meio da leitura da SGA e, também, da situação-problema destacada, você,
futuro docente, deve elaborar uma produção textual, com respaldo teórico nas
disciplinas que foram cursadas ao longo deste semestre.

SITUAÇÃO GERADORA DE APRENDIZAGEM (SGA)

Para refletir sobre as altas habilidades/superdotação (AH/SD) existente no
cotidiano escolar, tome como exemplo, a Situação Geradora de Aprendizagem que
apresentaremos aqui:
Fabiane atua há dez anos como professora dos anos finais do Ensino
Fundamental, em um colégio estadual, de sua cidade. A professora, acreditava que
nunca tinha encontrado um “gênio”, um(a) superdotado(a) e nem conseguia pensar em
nenhum dos seus alunos como pessoas com AH/SD. Mas durante um congresso teve
contato com o tema das Altas Habilidades/Superdotação: aprendeu sobre esse conceito,
suas características, seus amparos legais e pode entender melhor o assunto.
Dessa forma, compreendeu que, segundo o teórico Gardner (1995), nós temos
oito Inteligências Múltiplas, que são: linguística, logico-matemática, espacial,
interpessoal, intrapessoal, naturalista, musical e corporal-cinestésica. E que a pessoa
com AH/SD pode desenvolver e expressar sua inteligência de maneira isolada ou
combinadas (mais de uma). Aprendeu também, que os superdotados têm raciocínios e
aprendizagens rápidas, são curiosos e pesquisadores natos.
Para a inclusão escolar do aluno com AH/SD é imprescindível que ocorram
mudanças quanto ao enriquecimento curricular e à criação de estratégias inclusivas,
desde a reelaboração do projeto político pedagógico da escola até a formação do
educador (atenta-se à importância da formação continuada dos docentes para sua
prática e identidade profissional). A inclusão começa na conscientização do educador,
para uma melhor efetivação da sua prática pedagógica, impactando no processo de
ensino-aprendizagem e objetivando uma escola aberta à diversidade e ao
desenvolvimento integral do aluno.

SITUAÇÃO-PROBLEMA (SP)

No meio do ano letivo, durante o segundo bimestre, a professora Fabiane que
ministrava aulas em um colégio estadual com a disciplina de Língua Portuguesa,
começou a se preocupar com uma aluna em particular que chamava sua atenção. A
aluna Vanessa era excelente em suas produções textuais, tirava notas altas, tanto em
Português – Redação, como também no aprendizado de outros idiomas.
Mas Fabiane percebia que a estudante apresentava certo isolamento social, sem
amigos, ficando sozinha no intervalo e com dificuldades de fazer trabalhos coletivos.
Além disso, mesmo tirando excelentes notas demonstrava uma certa desatenção nas
aulas.
Sua preocupação foi compartilhada também por outros professores, por isso a
coordenação chamou os pais de Vanessa para conversar. Durante a conversa, Fabiane
começou a relembrar do que aprendeu no congresso e a questionar se sua aluna não
seria superdotada na área de linguística. Diante desse fato, sentindo-se um pouco
insegura com a situação, começou a refletir: Como de fato podemos encaminhar esta
aluna para efetivamente saber se é superdotada? Caso tenha AH/SD ela terá que “pular”
de ano no ensino fundamental? O que fazer, enquanto docente, para auxiliar no
aprimoramento das habilidades da aluna?
As informações discutidas trazem à tona a necessidade da escola estar ciente do
seu processo na formação docente para a temática das AH/SD, além de ofertar
atividades, programas, e encaminhamentos corretos que atinjam este público, no
intuito de fortalecer os processos de inclusão, respeito às diversidades e gerir uma
escola democrática e para todos.
Desta forma, seu trabalho aqui, será desenvolver então, uma produção textual,
com base nas perguntas que nortearão seu texto, a partir do tema: Altas
Habilidades/Superdotação: identificação e encaminhamentos no âmbito escolar.