Portfólio Câncer: Patogênese e Fatores Associados

R$30,00

Assim que o site confirmar o pagamento, será enviado no e-mail cadastrado o link para download do arquivo

Categoria: Tag:

Descrição

Portfólio Câncer: Patogênese e Fatores Associados – Semestre 4° REG / 3° FLEX

Curso: Biomedicina

Disciplinas: • Genética • Bromatologia • Práticas em Saúde • Biologia Molecular e Biotecnologia • Patologia Geral


POSSUI UM TOTAL DE 12 PÁGINAS

A proposta de Produção Textual Interdisciplinar em Grupo (PTG) terá como temática Câncer:
Patogênese e Fatores Associados. Escolhemos este assunto para possibilitar a aprendizagem
interdisciplinar dos conteúdos desenvolvidos nas disciplinas desse semestre.
Na atividade de produção textual, os alunos responderão questionamentos relacionados a
cada disciplina estudada no semestre, a fim de elucidar e resolver a situação-problema
(Situação Geradora de Aprendizagem – SGA) proposta.
Para tanto, apresentamos a seguir as orientações da atividade.

2. Leitura e interpretação da SGA
Essa produção textual tem como objetivo central compreender a relação entre os aspectos
fisiopatológicos das neoplasias e o campo de atuação do profissional biomédico. Logo, as atividades
desenvolvidas permitirão aos alunos uma reflexão sobre os elementos fundamentais envolvidos
na assistência multiprofissional e visão holística da área de saúde.

SITUAÇÃO GERADOR DA APRENDIZAGEM (SGA)

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a incidência de neoplasias
no mundo é alarmante, sendo está a segunda causa mais comum de morte. De acordo com dados da
Agência Internacional de Pesquisa para o Câncer (IARC, 2018) mais de 18 milhões de novos casos de
câncer foram diagnosticados em todo o mundo.
As neoplasias são bastante prevalentes atualmente e podem acometer diferentes partes do
nosso corpo.
O termo câncer vem do grego Karkinos, que significa caranguejo, sendo utilizado
primeiramente por Galeno (138 a 201 d. C.). O termo foi utilizado para descrição de um tumor
maligno de mama, cuja disposição das veias superficiais lembravam as patas de um caranguejo. Dessa
forma, o termo câncer se generalizou, sendo utilizado para indicar uma neoplasia ou tumor maligno.
No cenário atual, as neoplasias se tornaram um grave problema de saúde pública mundial,
acometendo milhões de pessoas a cada ano. Essa doença envolve alterações no DNA celular, que
podem ser genéticas ou epigenéticas. Estas também podem ser influenciadas por causas externas,
como hábitos e estilo de vida.
O câncer colorretal (CCR) é a quarta neoplasia maligna mais incidente no Brasil. Os sintomas
mais prevalentes são alteração do hábito intestinal e emagrecimento, estando presentes em cerca
de 75% dos casos; seguidos de dor abdominal (62,5%), hematoquezia e anemia (37,5%). O tempo
médio entre o início dos sintomas e o diagnóstico varia de 2,3 meses a 10 meses.
O câncer colorretal pode comprometer todo o intestino grosso (cólon) e o reto. Podem
atingir tanto homens quanto mulheres, sendo a primeira causa de câncer do aparelho digestivo e a
terceira em incidência entre todos os tumores malignos em nosso País.

Os fatores de risco no câncer associado a herança familiar, neste caso está associado à
transmissão genética dentro da família, especialmente aqueles que têm familiares com história de
câncer colorretal, câncer de ovário, endométrio ou mama.

SITUAÇÃO-PROBLEMA

Carlos Alberto Silva, sexo masculino, 63 anos, casado, apresenta no seu histórico familiar
pessoas diagnosticadas com câncer (CA) do aparelho digestivo, pulmão e próstata. Relata que viveu
toda a sua infância na zona rural, onde o pai trabalhava na lavoura, mudando-se para a cidade após
o casamento para trabalhar como metalúrgico.
Por conta do trabalho e dos hábitos de vida, não manteve bons hábitos alimentares, como
não realizar refeições em horários fixos, e consumir com frequência produtos industrializados e
bebida alcoólicas. Relata também que fuma há mais de 30 anos.
O paciente relata que sempre apresentou obstipação intestinal e dificuldade em evacuar, e
durante toda a vida tem feito uso de chás e medicamentos com efeitos laxantes. Há menos de 6
meses, após sentir um grande desconforto intestinal, procurou por atendimento médico, sendo
diagnosticado com Câncer Colorretal (CCR) dando início ao tratamento quimioterápico associado a
radioterapia.
IMPORTANTE: Após a leitura da SGA e devidas reflexões, elaborem um texto que integre e

relacione os pontos levantados em “Desenvolvimento”, mencionado abaixo, com a situação-
problema apresentada. Para isso, busque soluções para os problemas apresentados a seguir, mas,

lembrem-se de que TODOS os desafios propostos devem ser respondidos fazendo a relação entre a
SGA apresentada e a respectiva teoria. Portanto, é fundamental apresentar poder argumentativo e
boa fundamentação das justificativas.
Para o desenvolvimento do trabalho, a equipe deverá consultar e se fundamentar nas
teleaulas, webaulas, sugestões de leitura e no livro-texto disponível na Biblioteca Digital, bem como,
contar com a orientação dos tutores a distância por meio do sistema de mensagens.

Seguem abaixo sugestões de Bibliografia:

ARAGÃO, D. P.; ARAÚJO, R. M. L. Orientação ao paciente antes da realização de exames laboratoriais.
Revista Brasileira de Análises Clínicas, v. 52, n. 2, p. 98-102, 2019. Disponível em:
https://bit.ly/32IVgXH. Acesso em 19 jul. 2021.
BRASILEIRO FILHO, G. Bogliolo: patologia geral. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2019.
CONTE, F. A. Efeitos do consumo de aditivos químicos alimentares na saúde humana. Disponível em:
Revista Espaço Acadêmico, v. 16, n. 181, p. 69-81, 15 jun. 2016.
https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/article/view/30642 Acesso em 19 jul.
2021.
INCA. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Diretrizes para a vigilância do câncer
relacionado ao trabalho. 2. ed. Rio de Janeiro: INCA, 2013. Disponível em

https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files//media/document//diretrizes-vigilancia-
cancer-relacionado-2ed.compressed.pdf. Acesso em 19 jul. 2021.

KUMAR, V.; ABBAS, A. K.; ASTER, J. C. Robbins & Cotran, Patologia: bases patológicas das doenças. 9.
ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2016.
LOPES, A. A; OLIVEIRA, A. M; PRADO, C. B. C. Principais genes que participam da formação de
tumores. Revista de Biologia e Ciências da Terra, v. 2, n. 2. Disponível em: https://bit.ly/39iGqIu.
Acesso em 19 jul. 2021.

Assim, para o desenvolvimento deste trabalho, o grupo deverá refletir sobre a situação-
problema e produzir um texto de acordo com as instruções a seguir:

1. Introdução: discorra sobre o contexto geral do assunto proposto e os principais temas a serem
tratados no desenvolvimento do trabalho.
2. Desenvolvimento: nesse momento, o grupo deverá escrever uma breve fundamentação teórica
abordando os seguintes assuntos:

• O câncer é considerado uma das principais causas de óbito na maioria dos países
desenvolvidos e em desenvolvimento. O câncer colorretal é o mais prevalente nos países
desenvolvidos. No Brasil, este tipo de câncer só fica abaixo da taxa de mortalidade do câncer
de mama e de colo de útero. Atinge a população mais envelhecida, e é comum que o

diagnóstico seja feito em fases avançadas da doença. Há várias evidências cientificas de que
a alimentação tem um papel crucial no processo da carcinogênese, destacando-se como um
dos principais fatores de risco para o câncer colorretal. Segundo o American Institute for
Cancer Research e World Cancer Research estima-se que cerca de 30% a 40 % de todos os
cânceres são passíveis de prevenção pela adesão a um estilo de vida melhor e adoção de
padrões alimentares mais adequados.
Pensando na situação apresentada acima, podemos dizer que os aditivos alimentares
podem ter sido um dos gatilhos para o desenvolvimento de câncer na paciente? Quais os
possíveis aditivos alimentares que afetam a saúde? E como podemos evitar os aditivos?

• O sequenciamento de genes expressos em cânceres de grande incidência, além de ter enorme
importância do ponto de vista científico e da saúde pública. A partir da finalização do Projeto
Genoma Humano, muitos genes relacionados ao desenvolvimento de tumores foram
identificados e se abriu a possibilidade de utilização de técnicas de biologia molecular para a
identificação de mutações nesses genes.
Uma das técnicas mais importantes para a detecção de alterações no DNA é a PCR em tempo
real (RT-PCR), que representa uma evolução da é uma evolução do método de PCR (Reação
em Cadeia da Polimerase). Seu princípio se baseia na duplicação de cadeias de DNA “in vitro”
que pode ser repetida diversas vezes, gerando quantidade de DNA suficiente para realizar
diversas análises.
Pensando na incidência do câncer colorretal e na utilização de técnicas de biologia
molecular para o diagnóstico clínico, análise e escreva sobre os seguintes questionamentos:
a) No genoma humano, quais genes podem estar relacionados com o desenvolvimento de
câncer colorretal? Cite pelo menos 5 genes.
b) Como funciona a técnica de PCR em tempo real (RT-PCR) e como ela pode ser aplicada na
detecção de alterações em genes relacionados ao câncer colorretal?

• Exames laboratoriais constituem meios importantes para a análise do estado fisiológico de
um indivíduo, permitindo comprovar um diagnóstico médico. Além disso, os exames
laboratoriais apresentam grande relevância sobre as decisões médicas aplicadas, chegando a
influenciar cerca de 70% delas. Entretanto, alguns erros podem ocorrer durante as etapas
envolvidas nas fases laboratoriais, podendo causar impactos significativos nos custos para o
laboratório, nas condutas médicas e, principalmente, na segurança do paciente.
Dessa forma, descreva a importância da gestão de qualidade laboratorial e as estratégias
de controle que podem ser utilizadas para garantir a confiabilidade dos serviços prestados.

• Em um indivíduo normal e saudável, espera-se que o ciclo celular seja rigorosamente
controlado, promovendo a duplicação celular corretamente, evitando assim que a
proliferação celular constitua comunidades celulares desorganizadas. No entanto, as células
cancerígenas não se submetem a esse esquema de controle, essas células apresentam DNA
danificado e, por isso, ‘escapam’ dos mecanismos de controle do ciclo celular. O “câncer”
surge de uma única célula que sofreu mutação, multiplicou-se por mitoses e suas
descendentes foram acumulando outras mutações até darem origem a uma célula cancerosa,
portanto, a incidência destes tumores se caracteriza pela proliferação celular anormal. Os
genes que participam da formação de tumores são, principalmente, os que nas células
normais estão envolvidos com o controle do ciclo celular, reparação do DNA danificado e
apoptose. Os dois principais tipos de genes que desempenham um papel no câncer são
supressores de tumores e os oncogenes.
Diante do exposto, descreva os mecanismos de atuação na formação dos tumores dos
oncogenes e dos genes supressores de tumores.

• A neoplasia é uma massa anormal de tecido, cujo crescimento é excessivo e descontrolado.
Temos diferentes tipos de neoplasias, as benignas e malignas, com características
morfológicas específicas que as determinam. Diferentes tipos de estímulos intrínsecos e
extrínsecos ao nosso organismo podem constituir fatores de risco, propiciando condições
favoráveis para o surgimento e desenvolvimento de células neoplásicas.

Diante disso, explique quais são as características das neoplasias malignas e benignas? E
como podem ser diferenciadas?

3. Considerações finais: para a finalização do texto, deve ser feita uma retomada do tema-base, com
a síntese do seu posicionamento em relação ao caso discutido e ao relatório elaborado. (No máximo
1 lauda)